Café da manhã - Irreverência Baiana
614
post-template-default,single,single-post,postid-614,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-1.0

Café da manhã

Maria acordou em silêncio, pé ante pé evitar qualquer barulhinho e correu para a cozinha.
Esquentou o aipim, cozinhou a banana da terra, fez três ovos mexidos no azeite, preparou o café, organizou toda a mesa com os frios, arrumou os pães, dispôs o suco, colocou o jogo americano e delicadamente uniu os talheres, xícaras e talheres.

Depois de tudo na mais perfeita harmonia, bateu na porta do quarto e anunciou o café da manhã já posto.

Não me perguntem sobre as minhas renúncias por ela. Eu agradeço a cada dia possibilidade de ser mãe dessa Maria, a minha Maria.

No Comments

Post A Comment