Crônicas - Irreverência Baiana
411
paged,page-template,page-template-blog-masonry,page-template-blog-masonry-php,page,page-id-411,page-child,parent-pageid-408,paged-8,page-paged-8,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-1.0

Outro dia parei frente à televisão e fiquei abobada com a terapia intensiva dos comerciais em busca da vida perfeita, já faz cinco anos que não assisto televisão. Primeiro por não encontrar opções inteligentes na rede aberta, e segundo por preferir utilizar esse curto tempo...

Morei em Itabuna, passei o dia no litoral, virei praieira. Vou e volto. Amo e desamo. As palavras me perseguem. No fim me entrego ao silêncio. Sou fascinada por minha dor. O ciclo era este: Vovô ministrava amor em doses cavalares, Vovó me ensinava à paciência...

2015 começou com os insuportáveis livros de colorir, uma febre estressante para quem buscava um refúgio. Uma distração de burguês: lápis de colorir Faber-Castell com 30 cores em dégradé de cinza, 26 de tons pasteis e 68 de cores vibrantes, livros caros que remetiam a...

Faz quase seis anos que eu comecei a aprender a lidar com a morte. Foi traumático, doloroso, triste...

É estranho sair sem dizer adeus, sem abraços, ou ao menos um simples registro já que estamos tão absorvidos com a tecnologia. Mas foi assim para mim, um fim sem declarações – apesar de querer fazê-las -, uma despedida solitária a cada passo nos corredores,...

O Brasil no seu quarto mandato consecutivo no comando do PT, e diretamente abraçado por Lula, embarcou em um caos, uma anarquia instalada sem ter dia marcado para sair do abismo que estamos nos afundando. Como numa falência múltipla de órgãos, sabemos que a oposição também...

Ao que parece 2015 será um ano marcado por grandes tragédias, e por pessoas querendo medir o tamanho de cada uma delas, culpando a ausência de proteção divina sobre atitudes irracionalmente humanas. No início do ano um avião destruiu primariamente 150 vidas, nos Alpes Franceses, consequentemente,...

Foi-se o tempo me que eu me entregava ao amor com as vistas vendadas. Quando mais nova eu tinha o romantismo como uma religião. Fechava os olhos e sonhava acordada com amor sendo devolvido na mesma proporção. Sentia o frio na barriga toda vez que...

Entre uma taça de vinho e outra, eu afirmei: “eu não vivo muito”, olhares espantados e descrentes. A verdade é que é preciso uma força descomunal para lutar com essa fadiga do não ter uma identificação precisa sobre determinados sintomas, sobre idas a hospital. Tenho...

Tive a honra e o carinho de ser convidada pelo competentíssimo Diego Raniery para contribuir no mini curso "O fazer literário nas redes sociais" da Terceira feira do livro da UESC. Uma turma curiosa e atenciosa sobre essa humilde escritora. Ao final de tudo, eu afirmo é...