Juliana escreve
408
paged,page-template,page-template-blog-large-image-with-dividers,page-template-blog-large-image-with-dividers-php,page,page-id-408,page-parent,paged-2,page-paged-2,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-1.0

Comecei a amar Ipês amarelos a partir Rubem Alves, nunca tinha lido alguém com tamanha doçura e cuidado para falar apenas de uma árvore. Mas não, nunca foram apenas árvores. Embarcava nas suas palavras como se enxergasse fotografias graciosas em minha mente. Caminhando rumo a Catedral...

As suas mãos enrugadas ao segurar os poucos cabelos que ainda existiam mostravam sua preocupação. Seus olhos inquietos confessavam que a alma continuava de menino, apesar do corpo não corresponder na mesma velocidade. A pele ressecada e a dificuldade motora anunciava a sua velhice. Recentemente recebi...

“Vamos com calma”, pede Valeska. “Real, oficial, arrasou!”, exclama Fernanda.  “Estou pensando”, eu digo. Três mulheres distintas, nascidas em cidades diferentes, em famílias com infindas peculiaridades, com histórias de vida de tirar o fôlego. Um trio para ninguém conseguir colocar defeito. O destino é algo curioso,...