La na AFI... - Irreverência Baiana
290
post-template-default,single,single-post,postid-290,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-1.0

La na AFI…

Iniciei os meus estudos naquele colégio, ainda bem pequena. Foi ali que dei os meus primeiros tombos, que aprendi a rabiscar, desenhar e escrever. Foi ali que aprendi o que era autoridade longe de casa, entre muitos puxões de orelha e pisõesno pé, entre castigos de olhar para a parede ou escrever milhões de vezes a mesma frase. Foi ali que aprendi a pular o muro, a descobrir esconderijos e a matar aula. Foi ali que aprendi a ser encrenqueira, a manipular os colegas e fazer ser temida. Foi ali que aprendi a rezar, que me tornar conhecida e que aprendi a ler.

O Colégio Ação Fraternal reúne os meus primeiros passos na vida; dos bons aos ruins, sem distinguir. Dali saíram amigos, saberes e sabores para a minha existência. E mesmo sem frequentar a sala de aula todos os dias, indiretamente continuo adicionando diariamente novos aprendizados.

Foi na AFI que me permitiram sonhar. De onde saíram os meus primeiros escritos, e lá mesmo foram eternizados. O meu primeiro livro saiu desse colégio, na antiga terceira série. Foram poemas e poesias reunidos. E posso dizer que foi na AFI que também me ensinaram o que é ter sonhos realizados. Tem coisa melhor?

No último dia 25 de maio tive a oportunidade de me reunir entre uma meninada animada para falar sobre literatura, justamente nesse colégio que sempre fui acolhida com os braços e coração aberto.

Ouvidos atentos à oportunidade de ter os seus primeiros contatos com escritores, com olhos que mal piscavam; é incrível como existe a mágica de poder conhecer aqueles que lemos – e admiramos – seja qual for o estágio de vida. Para eles memória, para nós memórias também. Os olhos cintilam independentemente da posição em que estamos.

Confesso que a melhor parte não é ser somente escritora, o mais gostoso é saber que entre milhares de olhinhos curiosos tinha um par de olhos negros brilhando em minha direção, e burburinhando com os coleguinhas ao lado: – é minha mãe!

Nessa arte de juntar palavras eu me transformo todos os dias.  E Quem diria que tempos depois eu me tornaria a escritora mais realizada que possa existir? Bom, ninguém diria, nem eu.

Juliana Soledade

Crônica produzida para o Jornal A Região publicada no dia 28 de Maio de 2016.

No Comments

Post A Comment