Sobre malas - Irreverência Baiana
265
post-template-default,single,single-post,postid-265,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-1.0

Sobre malas

Viajar é a interminável angústia de fazer e desfazer as malas. As minhas carregam histórias imprevisíveis, desnorteantes e inesquecíveis.

Já tentei seguir fórmulas para caber mais roupas ou sapatos, sempre algumas coisas ficam pelo caminho ou em urgência compro outro um suporte para aguentar os devaneios capitalistas.

Elas saem para o estrangeiro, para o frio ou calor, suportam nossos rompantes, nossos desavisos, nossas lágrimas. Já usei minha mala como travesseiro. Já subimos pé ante pé em avião, em ônibus e porta mala. Já sentiu areia de praia e pó de asfalto. Já tomamos banho de chuva e já foi carregada por outras mãos.
Em meio aos passos surgiram pessoas e culturas entre minhas aterrissagens.  E se minhas malas falassem dos reencontros, dos abraços e das quedas já levadas, teriam múltiplas histórias a contar. Elas quase sempre levam sorrisos e confianças, retornam com nostalgia e experiências.

Ao tornar de alguma aventura, as malas sucessivamente pousam em meu quarto como se fossem uma canção de Vinicius de Moraes: “é melhor ser alegre que ser triste, a alegria é a melhor coisa que existe.”. Para aguentar a saudade de quem ficou.

Não tem amor eterno com namorado enquanto o suspense impera na esteira do aeroporto.  Não existe desespero maior ao notar os cadeados arrombados e a bagagem violada, acompanhado de duas certezas: choro sincero e ação indenizatória.

Dói abandonar uma mala que já viveu inúmeras histórias junto a nós, descartar apenas porque suas rodinhas não funcionam como antes, ou a sua cor já não é mais do nosso agrado.

Viajar é o mesmo que colecionar algumas moedas de ouro, se orgulhar de cada uma delas, e relembrar apontando entre fotos e memórias do caminho percorrido. Viajar é criar expectativas, é ficar frustrado com o sol do deserto do Saara ou a chuva não programada. É rir dos perrengues, é rir dos exageros. É inventar uma viagem atrás da outra para esquecer um amor, e regressar sem atingir o objetivo.

Viajar é libertar a alma, é tirar cada peça de roupa da mala fazendo lembranças das coisas vividas. Mais do que lembranças que uma mala carrega são os inúmeros souvernirs,chocolates, especiarias e confianças. Chegamos sabendo exatamente onde regressar.

Juliana Soledade

Crônica publicada no Jornal A Região no dia 06 de Agosto de 2016.

No Comments

Post A Comment